Aécio diz que Tasso seguirá na presidência do PSDB até dezembro

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou nesta quinta-feira que o presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), tem “as melhores condições para conduzir o partido até dezembro” – data em que os tucanos iniciarão o processo de escolha do candidato à Presidência da República nas eleições de 2018. Segundo o mineiro, que está licenciado da presidência da sigla desde que veio à tona seu envolvimento no escândalo da JBS, o partido não está mais rachado e deverá se manter na base de apoio ao presidente Michel Temer (PMDB).

“Há paz no ninho”, disse o senador tucano, ao deixar o diretório do PSDB, onde ocorreu uma reunião com os 27 diretórios regionais do partido. “Tive ontem uma conversa com Tasso. Nossas divergências foram superadas e continuamos em nossa trilha de construir um projeto para o país.”

Os elogios a Tasso foram feitos após divergências internas sobre a legenda permanecer ou não na base do governo. “Quando me licenciei, o fiz para preservar o interesse do partido. Fui eu quem sugeriu o nome do senador Tasso para a presidência. É ele quem tem melhores condições para conduzir o partido até dezembro, quando escolheremos nosso candidato à Presidência da República. Os pontos em que divergíamos estão superados”, acrescentou Aécio.

O senador de Minas negou que haja qualquer divisão em seu partido e disse que o apoio a Temer está relacionado ao compromisso do PSDB com as reformas defendidas pelo partido. “A agenda de reformas se deu no momento em que defendemos o afastamento da presidente Dilma. Se apoiar um governo com baixa popularidade for o preço para que uma agenda das reformas que sempre defendemos seja implementada, acho que temos de pagar esse preço. Não estamos atrás de cargos ou de benesses de poder”, argumentou o senador, que negou ser pré-candidato às próximas eleições presidenciais.

Segundo colocado na eleição presidencial de 2014, ele confirmou que não é pré-candidato à Presidência da República. “Estou fora disso. O governo tem nosso apoio em razão do compromisso com essa agenda. Mas, quando o processo eleitoral for iniciado, é natural que cada um caminhe na direção que achar mais adequada”, afirmou.